GRUPO DE ESTUDOS EDUCAÇÃO & MERLEAU-PONTY (GEMPO)

Portal do GPMSE/GEMPO: Estudos Educação e Merleau-Ponty

Compreender Merleau-Ponty

Mauro Carbone

Mauro Carbone é professor na Faculdade de Filosofia Jean Moulin, Lyon 3, na França. Recebeu seu PhD em 1990, na Universidade Católica de Louvain, Bélgica, com a dissertação La visibilité de l’invisible: Merleau-Ponty entre Cézanne et Proust, publicada em inglês sob o título The Visibility of the Invisible: Merleau-Ponty between Cézanne and Proust (Hildesheim: Olms, 2001). Acaba de publicar La chair des images: Merleau-Ponty entre peinture et cinéma (Paris: Vrin, 2011) e é o fundor e co-editor da revista Chiasmi International. Trilingual Studies concerning Merleau-Ponty’s Thought.(IHU-ON LINE. vol. 378, 31/10/2011)  . Artigo: Uma obra em dabate com o cartesianismo. 

 

 

 


Fabio Di Clemente

Estudioso italiano, Fabio Di Clemente é graduado em Filosofia pela Universidade de Urbino (Itália), especialista em Antropologia e Filosofia da Ciência pela mesma instituição. Na Universidade La Sapienza, em Roma, cursou Filosofia do Direito. É doutor em Filosofia pela Universidade de Urbino com a tese A percepção entre fenomenologia e dialética em Merleau-Ponty. Colaborou com o “Istituto italiano per gli Studi filosofici” de Nápoles e, na Universidade de Urbino, com o filósofo italiano Domenico Losurdo, presidente da Internationalen Gesellschaft Hegel-Marx für Dialektisches Denken. No Brasil obteve o pós-doutorado em Filosofia na Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, trabalhando sobre as implicações fenomenológicas do corpo em âmbito biopolítico e bioético. Atualmente é professor adjunto na Universidade Federal do Mato Grosso – UFMT. Nessa instituição liderou em 2011 o Grupo de Pesquisa em Movimentos Sociais e Educação – GPMSE, ministrando um curso sobre o pensamento de Merleau-Ponty. De suas publicações, destacamos La perception et l’histoire dans la pensée de Maurice Merleau-Ponty (In: Losurdo, D; Tosel, A. (Org.). L’idée d’époque historique. Die Idee der historischen Epoche. Annalen der Internationalen Gesellschaft Hegel-Marx für Dialektisches Denken. Band 12. Frankfurt a.M., Peter Lang, 2004, p. 419-432). Está preparando um livro de reconstrução crítica do pensamento de Merleau-Ponty e outro sobre questões fenomenológicas.  Fenomenologia e ontologia. Corpo ed Essere in Merleau-Ponty. In Di Clemente, F. et al. Tra Dilthey e Habermas. Esercizi di pensiero su filosofia e scienze umane. Perugia: Morlacchi, 2006, p. 353-522; - Corpo e conhecimento em Merleau-Ponty. INTERthesis. V. 5, 2009, p. 1-46.

IHU ON-LINE, V. 378, 31/10/2011Um convite à radicalidade

 

 

 

 

Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Santo Tomás de Aquino, Vitória Espósito é mestre e doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP com a tese A escola. Os processos institucionais e os universos simbólicos. Professora da PUC-SP, escreveu, entre outros, A escola. Um enfoque fenomenológico (São Paulo: Escuta, 1993) e Construindo o conhecimento da criança/adulto. Uma perspectiva interdisciplinar? (São Paulo: Martinari, 2006)

 

A partir da fenomenologia de Merleau-Ponty, o ser humano rompe com a inexperiência do mundo das “verdades prontas” e da “bidimensionalidade aprisionadora” para desvelar a profundidade: Artigo: “O homem no cerne do acontecimento vivo”

Ubiratan D'Ambrosio

Ubiratan D’Ambrosio é doutor em Matemática pela Universidade de São Paulo – USP e professor emérito da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Foi internacionalmente agraciado com a “Medalha Felix Klein” (Educação Matemática/ICMI/IMU), com a “Medalha Kenneth O. May” (História da Matemática/ICHM/IMU). Foi presidente da Sociedade Brasileira de História da Matemática – SBHMat e do International Study Group on Ethnomathematics – ISGEm além de ser presidente de honra da Sociedade Brasileira de História da Ciência – SBHC. Atualmente é professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Bandeirante – Uniban e professor credenciado nos programas de pós-graduação em Educação Matemática da Faculdade de Educação da USP e da Universidade Estadual Paulista/Rio Claro – Unesp e em História da Ciência da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP. Dentre suas publicações, destacam-se Transdiciplinariedade (São Paulo: Palas Athena, 1997); Etnomatemática. Elo entre as Tradições e a Modernidade (Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2001); Uma história concisa da matemática no Brasil (Petrópolis: Vozes, 2008); e Educação para uma Sociedade em Transição (Natal: UFRN, 2011).
“Formas transdisciplinares não redutíveis aos “preceitos das disciplinas tradicionais”, essas duas maneiras de ver o mundo são examinadas por Ubiratan D’Ambrosio. A Merleau-Ponty cabe a aproximação entre fenomenologia e existência”
Artigo: Fenomenologia e etnomatemática: para além das grades da gaiola

 

 

 

 

Verilda Spiridão Kluth

 

Licenciada e bacharel em Matemática pela Fundação Educacional de Bauru, Verilda Kluth é mestre e doutora em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp, com a tese Estruturas da Álgebra – investigação fenomenológica sobre a construção do seu conhecimento. Docente na Universidade Federal de São Paulo – Unifesp e da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp, é presidente da Sociedade de Estudos e Pesquisa Qualitativos – SE&PQ, além de membro da Sociedade Brasileira de Educação Matemática – SBEM

“Contribuições de Merleau-Ponty à matemática são um de seus legados mais importantes, pontua Verilda Speridião Kluth. De acordo com a pesquisadora, a matemática pode “ser pensada como presença no momento de percepção”

Artigo: Kant e Merleau-Ponty: um debate entre filosofia e matemática

Carmen Sylvia Guimarães Aranha

Graduada em Artes Plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP, Carmen é mestre e doutora em Educação, respectivamente, pela Universidade de Boston, Estados Unidos, e pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP com a tese A arte visual na sala de aula. É livre-docente pela Universidade de São Paulo – USP, onde é professora do Museu de Arte Contemporânea. É autor de Exercícios do olhar. Conhecimento e visualidade (São Paulo/Rio de Janeiro: Editora Unesp/Funarte, 2008)
“Para nos aproximar do olhar que tece o conhecimento criador e objetivando trazê-lo à luz no seu sistema de correlações, apropriei-me de alguns conceitos refletidos por Merleau-Ponty nas suas discussões sobre conhecimento estético. Essa apropriação ofereceu instrumentais reflexivos para a escolha de artistas e obras que podem nos dar a visualidade procurada para os fenômenos interrogados na compreensão e interpretação do olhar criador.”
Artigo: O Olhar criador a partir de Merleau-Ponty.

 

VIDEO DE ENTREVISTA GRAVADA ANTES DA MORTE DE FRANCISCO VARELA DESENVOLVENDO PARTE DE SUAS TEORIAS DA NEUROCIÊNCIA A PARTIR DE MERLEAU-PONTY

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*